domingo, 2 de janeiro de 2011

ê João Cabral de Melo Neto !

O amor comeu na estante todos os meus livros de poesia. Comeu em meus livros de prosa as citações em verso. Comeu no dicionário as palavras que poderiam se juntar em versos.